segunda-feira, 11 de maio de 2015

E agora?

GVP: sem renovação

O contrato firmado pelo governo passado entre a empresa GVP e a Secretaria de Saúde para o serviço de recepcionista está quase terminando. A atual gestão não sinalizou que vai renovar. Profissionais que atuam nos hospitais e centros de saúde estão apreensivas. Além de não terem garantia de recebimento das verbas rescisórias, há salários e até vale refeição em atraso.

5 comentários:

  1. Muito bom ver que alguém está nos apoiando. Muitíssimo obrigada.
    A atual gestão do Distrito Federal vem se escorando nos erros da anterior sem a mínima vergonha. Já tenho minhas dúvidas se quer e/ou conseguirá resolver algum problema da capital federal.
    Retirar as recepcionistas é apenas um capricho pois essa função foi criada na gestãoanterior que tem visível sucesso no que veio cumprir dentro da sua função na secretaria de saúde do DF.
    São mulheres que, nos últimos meses, vem passando necessidade devido a falta de pagamento de salários, vale alimentação e até mesmo vale transporte. Toda essa situação é vergonha para o gestão e humilhante para as trabalhadoras. Salários atrasados e insegurança se iremos receber nossos direitos.
    Mais uma vez muito obrigada pelo apoio.

    ResponderExcluir
  2. Oi Boa noite, eu sou uma das recepcionistas envolvida nesse sofrimento e descaso, estou na empresa desde o início do contrato com a SES e cada dia que passa me surpreendo mais com o pouco caso que as autoridades estão fazendo conosco, já estamos a dois meses sem receber pagamento, passagens e Vale alimentação e a empresa só alega que não recebeu do governo sem nem querer saber do que todas nós estamos passando, muitas estão passando por necessidades como sem condições de comprar até comida pra dentro de casa, não sabemos mas pra onde recorrer pois o aviso prévio termina dia 16 de Maio e não temos nenhuma certeza de pagamento nenhuma, precisamos muito da ajuda de todos os lados para que isso seja resolvido o mas rápido possível!

    ResponderExcluir
  3. O que caracteriza um vínculo empregaticio e a troca do trabalho ou funções desempenhadas pelo trabalhador pelo devido pagamento salarial por parte do empregador. Esse vínculo portanto, tem sido desrespeitado há meses por parte da Gvp que não só vem atrasando o pagamento salarial, vale alimentação e passagens como também deixou de arcar com a obrigatoriedade de manter convênio médico quando a grande maioria das trabalhadoras estao expostas a situações insalubres devido ao risco inerente ao ambiente de trabalho. Além disso vem agindo desrespeitosamente com as gestantes agindo de forma desumana com essa mulheres que estão em um momento de maior fragilidade. Como se não bastasse, a Gvp não vem honrado o referente aumento da data base que foi legalmente aprovado em assembleia pela maioria.
    A conduta dessa empresa é inaceitável e desrespeitosa pois os direitos trabalhistas que estão sendo desprezados pela mesma foram conquistados através de muita luta e sacrificio de uma nação que intitula se Democratrica. A escravidão foi abolida a muito. E inaceitável que haja imposições tanto por parte da empresa contratante quanto por parte donos gestores imediatos do contrato, que essas trabalhadoras sejam submetidas a tal situação degradante e humilhante, onde até mesmo para o cumprimento do aviso prévio as mesmas tenham que tirar do próprio bolso, uma vez que não foi pago o que lhes é devido, o que é constitucionalmente de direito. Absurdo!!!

    ResponderExcluir
  4. No começo tudo era flores. Fomos bem recebidas até pelo governador. Foi só o mesmo perder a gestão que começou as incertezas. Desde o começo do ano ( ano da nova gestão ) começou as incertezas. Estamos há dois meses com salários atrasado, Vale alimentação, Vale transporte e até o plano de saúde foi cancelado, até mesmo para as recepcionistas grávidas. Fica um total descaso não temos nenhuma posição nem da empresa GVP nem do GDF. Enquanto isso continuamos sendo humilhadas e só queremos o que nos é de direito. Trabalhamos temos que receber. O contrato acaba dia 16 esperamos receber TUDO. É pedir muito?

    ResponderExcluir
  5. Marcelo S. Araújo12 de maio de 2015 09:06

    Acompanhei o início desse atendimento junto a uma pessoa treinada para este atendimento, verificando a qualidade do treinamento e a satisfação pessoal dela, trabalhando diretamente com o público alvo. Porém a falta de respeito da empresa e do próprio convênio em relação a essas atendentes, mostrou o quanto a saúde é negligenciada em nosso país. A situação de desamparo dessas atendentes, o atraso salarial, o desrespeito aos seus direitos é inaceitável. Esperamos que exista alguma autoridade que possa intervir em auxílio à essas trabalhadoras, pois todos necessitam do emprego e de seus direitos garantidos.

    ResponderExcluir