segunda-feira, 18 de maio de 2015

Opinião da semana

Imagem da Internet
Brasília ilegal


Há muito que as terras do DF chamam a atenção de oportunistas e espertalhões. Fonte fácil de riqueza e mal cuidada pelos que deveriam zelar por ela, como é o caso da Terracap. A fiscalização a cargo da Agefis, também é precária. Não por falta de fiscais, agora chamados de auditores, mas por falta de ação. No início do ano a derrubada de casas em regiões mais pobres da Capital, colocou a diretora da Agefis na mídia. Entrevistas, reuniões e a promessa não cumprida de que a fiscalização valeria pra todos. Pobres e ricos. Ledo engano. A diretora sumiu e junto com ela a fiscalização. Invasões proliferam em todas as regiões, sem distinguir áreas pobres e ricas. No plano os puxadinhos irregulares surgem a toda hora e a prorrogação do prazo serve de álibi. No Lago Sul a demora foi calculada para que uma liminar providencial da justiça impedisse as derrubadas, para alívio do governo. Mas a ilegalidade não está apenas na invasão indiscriminada das terras e áreas públicas. Os camelôs e vendedores de quentinhas se multiplicam pra todos os lados e pra todos os gostos. Transporte clandestino virou regra ante a inércia dos órgãos de fiscalização, excelentes pra fazer funcionar a indústria de multas dos pardais e radares, que tiram nosso dinheiro, mas péssimos pra dar fluidez no trânsito e evitar acidentes. O lixo então, nem se fala, serviço péssimo, fiscalização inexistente e nossas cidades viraram lixões a céu aberto. É lamentável que a chegada ao poder da chamada Geração Brasília tenha colocado Brasília na ilegalidade e poucos deles parecem se importar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário