terça-feira, 12 de maio de 2015

Três perguntas para... Sandro Avelar

Imagem da Internet
Sandro Avelar: teoria e prática precisam andar juntas

Ex-secretário de Segurança Pública do DF e delegado da Polícia Federal, Sandro Avelar agora está lotado na divisão de Combate a Crimes contra o Patrimônio - responsável pela repressão aos assaltos a bancos, carros-forte e agências dos Correios. Apesar disso não se afastou da política. É suplente de deputado federal e tem acompanhado o cotidiano do DF. O tema das "três perguntas do dia..."


CB: Qual foi o maior desafio que enfrentou à frente da Secretaria de Segurança do DF?
Sandro Avelar: O maior desafio foi integrar as polícias militar e civil, ambas muito tradicionais e com autonomia administrativa, num mesmo projeto, para que trabalhassem juntas. Graças a Deus, com o programa Ação pela Vida e a criação das áreas integradas de segurança pública, em 2013 tiramos Brasilia do ranking das 50 cidades mais violentas do mundo, onde, infelizmente, ainda permanecem 19 capitais brasileiras. As coisas caminharam bem, tanto que o modelo continua sendo seguido no atual governo.

Em segurança pública, o que é mais importante: teoria ou prática?
As duas coisas: a teoria para trazer idéias atuais e eficientes, com base científica e às vezes já testadas em outros lugares; a prática, para saber se são aplicáveis à realidade do Distrito Federal e do país, respeitando as peculiaridades da nossa sociedade e das nossas corporações. Como se diz popularmente, é preciso saber onde o sapato aperta.

Ainda tem esperança de assumir uma cadeira na Câmara dos Deputados... Seja na condição de suplente agora ou titular em outros pleitos?
Fui candidato por puro idealismo. Acreditei e continuo acreditando que é preciso fazer do legislativo um importante palco para se discutir, com ética e transparência, assuntos de interesse real para a sociedade, e não para se utilizar do cargo para cuidar de interesses pessoais. Se vou ou não ter essa oportunidade, penso no velho ditado da minha mãe: "se for pra bem, que Deus guie; se não for, desvie!"

Nenhum comentário:

Postar um comentário