quarta-feira, 24 de junho de 2015

Três perguntas para... Paulo Octávio

Imagem da Internet
PO: "Brasília está muito burocratizada"

"(Rollemberg) precisa focar nessa burocracia que está atravancando os negócios". Esse é o conselho que o ex-governador e empresário Paulo Octávio dá ao atual ocupante do Palácio do Buriti para que o setor produtivo saia do sufoco. Ao comemorar 40 anos de atuação no mercado, PO se diz ainda preocupado com o atual cenário econômico. Sobre esses e outros assuntos, ele responde às "três perguntas do dia..."


CB- Desistiu da política?
Política é a mais nobre das atividades. Sou apaixonado por política, sou apaixonado por Brasília. São dois ingredientes que me fazem sempre sonhar com a vida pública. Está dentro de mim e não vou desistir nunca. Até porque em Brasília, em todas as minhas atuações - quer como empresário, quer como homem com mandato -, eu sempre fiz política. Então a política está dentro de mim e vou morrer fazendo política.

A crise econômica tem o preocupado?
Tem preocupado o Brasil todo. É um momento muito difícil, em que o desestimulo está imperando no país. E isso é muito triste. O que sinto hoje é que o empresário não estão com vontade. E quando isso ocorre, tudo se complicada, pois a geração de emprego vai cair e a violência vai aumentar. Logicamente que não é o que queremos. Temos que achar uma forma de estimular a classe empresarial. Os empresários precisam ser estimulados a continuar trabalhando, gerando emprego, pagando impostos, aquecendo a economia, porque sem a classe empresarial a gente não tem um país em desenvolvimento.

Qual avaliação faz do governo Rollemberg?
Precisa focar nessa burocracia que está atravancando os negócios. Hoje nós temos muitos setores (do GDF) atuando com muita rigidez e isso está dificultando a abertura de novos negócios. Entendo que é o momento de abrir mais o governo, dar mais poder as administrações regionais, tentar desburocratizar a nossa cidade. Brasília está muito burocratizada e isso está atrapalhando o desenvolvimento de novos negócios.

Nenhum comentário:

Postar um comentário