segunda-feira, 17 de agosto de 2015

Notícias da política

Três perguntas para... WASNY DE ROURE

O legado deixado enquanto esteve na Presidência da Câmara Legislativa ainda está de pé?

Wasny: Como presidente, em 2013 e 2014, agimos sempre para aumentar a transparência dos trabalhos realizados na Casa e indicamos servidores concursados para ocuparem cargos estratégicos da Câmara Legislativa. Implantamos diversos projetos, tais como o convênio com a gráfica do Senado Federal, a oferta de internet gratuita para servidores e para população, a disponibilização online do relatório e emendas dos deputados, implantamos também a sinalização visual, criamos um programa de estágio e passamos a realizar pregão eletrônico para aquisição de bens e serviços. Tudo isso gerou um avanço enorme para a instituição, com a diretriz de racionalização dos gastos públicos e a orientação para resultados. Nesse sentido destaco ainda o esforço que possibilitou a devolução de cerca de R$ 90 milhões do orçamento da Câmara Legislativa para investimentos na rede pública de saúde. Deixamos prontas as licitações da TV Distrital, com acompanhamento do MPDFT e TJDFT, o bicicletário e obras de arte. Cabe à nova Mesa Diretora aprimorar ou cancelar eventuais medidas.

A crise entre poderes, revelada no fim do semestre passado, prejudica a quem?

Wasny: Com certeza o povo é o grande prejudicado com uma crise desse porte.

Qual a avaliação que faz do governo Rollemberg?

Wasny: Acho que a falta de diálogo com a sociedade vem prejudicando muito esse governo. Isso gera dificuldade na percepção dos problemas e no encaminhamento das soluções.


Saia justa
O governador Rollemberg ficou um tanto quanto constrangido na última edição do "Voz Ativa no Planejamento", que ocorreu em Sobradinho 2. Em meio a uma enxurrada de elogios, o líder comunitário Davi Santos, representante da Vila Buritizinho, usou o microfone para dar outro tom ao evento. Fez duras críticas ao governo usando frases como "até agora nada foi feito" e "ajudo a contribuir com seu salário". O público ficou efusivo. Rollemberg titubeou na resposta. Focou nas dificuldades que encontrou ao assumir o mandato.


DivididoA polêmica envolvendo o uso de vagas de estacionamento por um restaurante da 210 Sul deixou o GDF dividido. Diante da pressão nas redes sociais, o governo se viu obrigado a divulgar nota informando que a ação “não cumpria todas as exigências para liberação da área”. O restaurante só tinha a autorização do Detran-DF, quando também deveria ter documentação da Administração Regional e outros órgãos. Até aí, tudo bem. O problema foram as postagens feitas pelo secretário de Turismo nas redes sociais. Jaime Recena tomou as dores da dona do negócio e desabafou: “Empreender em nosso país é algo cada vez mais complexo e burocrático”.


Derrubadas
A semana começa com uma notícia nada agradável para alguns moradores de Vicente Pires, Brazlândia, Lago Sul e da região do Altiplano Leste. Tudo porque ações nestas áreas estão previstas na agenda da Agefis. Os auditores começam o trabalho nesta segunda (17). Há desde terrenos públicos que foram cercados sem autorização até casas que foram construídas nos últimos dias. Todo o trabalho será acompanhado pela diretora-presidente da Agefis, Bruna Pinheiro, que por sinal está firme no cargo. É o que garantiu o governador Rollemberg em evento no fim de semana.


No vermelho
Os técnicos das secretarias de Fazenda e Planejamento vão passar os próximos dias focados no fechamento do relatório de gestão fiscal do segundo quadrimestre de 2015. A prévia não é nada otimista. O Governo do Distrito Federal deve continuar dentro do limite prudencial de gastos com pessoal; portanto sem poder contratar novos servidores por mais quatro meses. Os cálculos mostram que por muitíssimo pouco o Distrito Federal não ultrapassará o limite de 49% dos gastos com pagamento da folha. O que livra, pelo menos por enquanto, os gestores de punição por improbidade administrativa. No entanto, a preocupação é latente, já que no próximo mês haverá uma nova rodada de reajustes salariais aprovados na gestão passada.


Isso Tudo?
O Serviço de Limpeza Urbana (SLU) está contratando empresa para fiscalizar e supervisionar a implantação da primeira fase do aterro sanitário de Samambaia. O valor estimado? R$ 409 mil. De acordo com o edital, o serviço é semelhante a uma consultoria: um profissional da empresa contratada terá que acompanhar o início da implantação do aterro e depois vai ter que treinar dois servidores do SLU para continuar esse trabalho. A abertura das propostas está marcada para 27 de agosto.


Ajuda especializada
Representantes da Pró-Federação em Defesa do Distrito Federal apresentam hoje (17), às 19h, no Clube Unidade de Vizinhança da Asa Sul, um estudo sobre a ocupação de áreas públicas por mobiliário urbano (quiosques, tendas, bancas e similares). O documento reúne mais de 30 mil informações. O objetivo é subsidiar o GDF na elaboração de leis para o setor e na finalização do Plano de Preservação do Complexo Urbanístico de Brasília (PPCUB), que deve ser reenviado a Câmara Legislativa neste semestre.


Expresso Pequi
Os governadores de Goiás e do DF se reúnem nesta segunda-feira (17) com o ministro dos Transportes, Antônio Carlos Rodrigues, para tratar da implantação do trem de alta velocidade ligando Brasília a Goiânia. Liliane Roriz (PRTB) também participará da reunião, na condição de deputada distrital e legítima representante do autor da proposta: o ex-governador Roriz.


Reflexão do dia...
“Lamentável e inaceitável a decisão do Ibram em proibir o acesso de animais de estimação à Ermida Dom Bosco, a partir do primeiro de setembro. É de se esperar uma reconsideração dessa decisão absurda”. Paulo Dubois, ex-administrador do Parque da Cidade.


Para finalizar... a administração do Solar de Brasília fez as contas: em 2014, os moradores do condomínio pagaram ao GDF cerca de R$14,5 milhões em impostos e taxas públicas. Diante de tal contribuição, apresentaram um documento ao governo cobrando celeridade na regularização da área

Nenhum comentário:

Postar um comentário